Marcos importantes do EaD

  • 1904 - Instituições privadas internacionais ofereciam cursos por correspondência;
  • 1934 - A Rádio-escola Municipal do Rio de Janeiro disponibilizava folhetos, apresentações no rádio, esquemas de aula e cartas;
  • 1939 - Com a criação do Instituto Rádio Monitor o Ensino a Distância era feito através de folhetos;
  • 1940 - O Instituto Universal Brasileiro, em São Paulo, uma das mais antigas, em termos de cursos via correio, começou a desenvolver estudos sobre o Ensino a Distancia;
  • 1941 - É criado oficialmente o Instituto Universal Brasileiro. Nesse mesmo ano, houve a criação da Universidade do Ar (para professores iniciantes), eles transmitiam a informação por meio de folhetos e do rádio;
  • 1947 - A Universidade do Ar, em São Paulo, criada pelo Sesc e Senac com a colaboração de emissoras, é destinada a oferecer cursos de treinamento para comerciantes e empregados;
  • 1957 - O sistema Radioeducativo Nacional utilizava como recurso o rádio;
  • 1961 - Surge o Movimento Nacional de Educação de Base, uma rádio que era supervisionada periodicamente;
  • 1964 - O Ministério da Educação (MEC) começa a reservar canais de TV para conteúdos educativos;
  • 1970 - Criação da Fundação Roberto Marinho, com a TV, o rádio e materiais impressos e o Projeto Minerva (transmitido nacionalmente através do rádio).

Nos anos 80, diversas universidades brasileiras já começam a disponibilizar esse tipo de estudo através de diferentes tecnologias. Veja no tópico Ensino Superior a Distância. Nos anos 90, essa universidade virtual já utilizava as Tecnologias de Comunicação e Informação (TIC), tendo como principais meios a Internet e a videoconferência. Em 1996, o Ensino a Distância ou EaD é oficializado como uma modalidade aceita e adequada a todos os níveis de ensino, exceto Mestrado e Doutorado.

A Secretaria de Educação a Distância (SEED) foi oficializada pelo decreto nº 1.917. É por meio dessa Secretaria que o Ministério da Educação (MEC) monitora, inova, incorpora novas tecnologias e técnicas relacionadas à Educação a Distância, no Brasil. Houve, com ele, a criação de um canal, chamado TV Escola, e em, 1997, o Programa Nacional de Informática na Educação (Proinfo) com objetivo de disponibilizar computadores em escolas públicas de ensino básico. Nesse mesmo ano, o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) já era utilizado por Universidades e centros de pesquisa.

Além disso, há vários programas feitos pelo SEED e um deles é a Universidade Aberta do Brasil (UAB), um sistema integrado de universidades públicas com o objetivo de oferecer ensino superior e cursos para atualização profissional de indivíduos já graduados ou pessoas comuns através do Ensino a Distância. Professores, dirigentes, gestores e trabalhadores em educação básica possuem prioridade no ensino.

A partir daí, outras instituições surgiram com o intuito de garantir o ensino brasileiro temporário de crianças que se mudavam para o exterior. Outra utilidade do Ensino a Distancia surgiu em meio a Segunda Guerra Mundial, para crianças que tinham de mudar-se constantemente.

Desde aquela época, um dos desafios da Educação a Distância era construir um ambiente atualizado, capaz de alinhar os seus métodos com o sistema de educação moderno.

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância

Vantagens

  • Flexibilidade – os alunos podem decidir o dia, horário e ritmo de estudo. Disponível para alunos que não podem frequentar os locais de ensino tradicional.
  • Presença não obrigatória – não é uma exigência, como no ensino tradicional. No Brasil, o aluno deve ter, no mínimo, 75% de presença obrigatória. Caso contrário, poderá ser reprovado.
  • Mobilidade – esses cursos são capazes de ir a lugares isolados e para populações com uma renda baixa.
  • Autonomia – é possível ter independência no estudo, quer seja individual ou em grupo.
  • Tecnologia e contato entre professor e aluno – se disponibilizado de maneira correta, esse ensino, através de tecnologias como: telefone, microfone, vídeoconferência, etc., poderá facilitar a forma com que aluno e professor mantêm contato. 
  • Programas Híbridos – significa um estudo por meio de aulas presenciais e recursos tecnológicos.
  • Atualização – o aluno poderá melhorar o seu currículo e se atualizar profissionalmente.

Desvantagens

  • Flexibilidade – para alunos que não possuem independência nos estudos, correm o risco de não ter os mesmos cuidados que, geralmente, teria no método de ensino tradicional. Há também, uma desvantagem para as instituições, que muitas vezes, se não programarem, terão dificuldade em atendê-los em todas as questões referentes ao estudo. Obs.: Estudar a distância requer do aluno disciplina e determinação, tanto dele, quanto do professor ou tutor.
  • Carência de professores e tutores – no Ensino a Distância, a falta de um tutor ou professor pode representar um problema para o aluno, se não for feito adequadamente. Ainda mais se ele não estiver adaptado ao ambiente de ensino virtual oferecido pela EaD.
  • Desistência – existe um alto índice de desistência para os cursos matriculados. Muitos se desanimam com a interface ou o curso não atende às suas expectativas.
  • Softwares e hardwares – para quem não é acostumado, os processos são um pouco mais complexos do que o ensino presencial. Em muitos cursos será necessário o aluno conhecer alguns recursos multimídia e ter um nível alto de compreensão dos textos, como no caso de intercâmbios a distância.
  • Limitações da Internet – pode acontecer pelo uso de uma internet lenta, cujos aplicativos são difíceis de ser instalados e o computador apresentar uma versão antiga.